A formação tradicional em Odontologia ainda insiste na trajetória linear de formar profissionais tecnicistas e Intrabucais. O profissional se forma, define uma especialidade e cada vez mais verticaliza sua formação nesta especialidade.

Comigo, no final da década de 80, não foi diferente no segmento da prótese dentária, mas sempre associado à clínica geral. Meu pensamento é que não dá para recusar periodontia e dentística de baixa complexidade como reforço no fluxo de caixa e prospecção de clientes. Certamente este não é um caminho contraindicado para um planejamento de carreira, mas, do outro lado “desta corda” temos o mercado que provoca quebras de paradigmas e direciona a carreira do Dentista a abandonar ou ressignificar este sistema tradicional. Percebo em meus coachees durante a realização de programas de coaching financeiro a vontade de alguns em compreenderem mais este novo cenário cobrado pelo mercado. São profissionais com visão Extrabucal e que como está na moda dizer hoje tem que desenvolver o pensamento estratégico de sair de dentro da caixa.

Num primeiro momento e adaptado a odontologia, temos a carreira em “Y”, um formato que relaciona o direcionamento baseando-se no formato desta letra. Num dado momento desta trajetória linear o Dentista na construção de sua carreira deveria escolher entre duas opções: a carreira técnica ou a carreira gerencial. Atuar em Odontologia hoje não se restringe apenas ao atendimento de pacientes/clientes, assim como realizá-lo com qualidade não é mais diferencial competitivo, é básico na visão do consumidor. O fato é que no cenário de atuação em consultórios e clínicas o Dentista deve estar preparado para diversas demandas como gestão de custos, gestão de pessoas, controles de estoques, área comercial como negociação e vendas e de outros processos em conjunto com sua atuação clínica e reabilitador da saúde bucal de seus pacientes/clientes. Ou seja, se envolver com uma diversidade de ações que superam a complexidade que o formato em “Y” define.

Entra o conceito de sistema de carreira em “W” de Rigaud, uma aposta recente de sistema adotado em algumas organizações e que está acima do “Y”. Este modelo em “W” proposto na década de 80, representa de forma simples a junção de dois “YY” e sugere um profissional com alto grau de versatilidade e flexibilidade para ajustar-se as diversas demandas e expertises necessárias para o controle de seu negócio (consultório e/ou clínica) e sua carreira. Essa terceira perna, geralmente, exige uma sinergia e habilidades de gestão, além de muito conhecimento técnico.

A Odontologia, ou melhor o mundo atual sinaliza a necessidade de  profissionais cada vez mais multitarefas e competitivos onde o modelo em “Y” pode não mais servir como uma forma mais sistêmica que é baseada na capacidade de atuar sem perder de vista os objetivos definidos em seu modelo de negócio e vida pessoal. Isso certamente trará resultados acima dos esperados.

Um ponto forte neste formato de careira em “W” é o de fazer do Dentista um profissional autogerenciável e com ampla autonomia para gestão e tomada de decisões. Um profissional com múltiplos conhecimentos. Por definição um profissional especialista detém um grande conhecimento em sua área de atuação, mas peca por não ter, na maioria dos casos, conhecimentos e competências transversais capazes de navegar nas áreas operacionais, táticas e estratégicas de sua rede profissional e em sua empresa.

Parece ousado dizer, mas a odontologia de hoje estabelece esta necessidade na condução de modelos de negócios em consultórios e clínicas. Vejo o Dentista como um profissional com grande potencial para ao longo de sua construção de carreira desenvolver este formato de carreira em “W”. A odontologia está passando por grandes mudanças de processo de gestão e a capacidade de adaptação definirá melhores resultados e principalmente a permanência dos diversos negócios existentes nos próximos anos. Por fim, uma frase de Peter Drucker: “Para ter um negócio de sucesso, alguém, algum dia, teve que tomar uma atitude de coragem”.

____________________

Flávio Ribeiro

Coach e Consultor PenseFar Coaching Financeiro; Master Coach e Analista Comportamental pelo Instituto Brasileiro de Coaching com certificação pela European Coaching Association – ECA e Global Coaching Community – GCC; MBA Executivo Gerência de Saúde pela ISAE FGV; MBA Gestão de Serviços de Saúde pela UFF–RJ; Graduado em Odontologia; Mestre em Gestão e Economia da Saúde na UFPE.