Acredito que uma das transformações que a gestão em odontologia terá nos próximos anos será o amadurecimento das relações profissionais no que diz respeito ao processo de rateio financeiro dos planos de tratamentos vendidos. Aí temos diversos modelos de negócios que contemplam diversas formas de parcerias financeiras. Posso afirmar que cada caso é um caso. O dentista deve saber a relação entre preço de venda, preço de custo e fazer simulações gerenciais para tomar decisões em sua vida.

Estas parcerias financeiras devem ser pensadas num formato em que todas as partes fiquem satisfeitas e tenham resultados positivos. Uso tabelas que aplico em diagnóstico de financeiros de clínicas para facilitar a compreensão. Aqui o tema é o refletir o rateio financeiro do preço de R$ 20,00 (vinte reais) entre um Dentista Dono da Clínica e um Dentista Executor do Serviço. São serviços pagos por alguns convênios.

O Tempo de atendimento considerado foi de 30 minutos de utilização do consultório. O Potencial de produtividade será de 08 (oito) horas, 16 serviços por dia. Calcularemos quanto o Dentista Dono e o Dentista Executor terão de previsão de faturamento em 01(um) dia de atendimento utilizando as 08 (oito) horas/dia.

Tempo 30 Minutos % SERVIÇO DIÁRIA*
(+) Preço de Venda – Convênios 100% R$ 20,00 R$ 320,00
(-) Imposto 15% R$ 3,00 R$ 48,00
(-) Glosa 10% R$ 2,00 R$ 32,00
(-) kit material + biossegurança (R$5,00) 25% R$ 5,00 R$ 80,00
(-) Dentista Executor do Serviço 40% R$ 8,00 R$ 96,00
(=) Dentista Dono da Clínica 10% R$ 2,00 R$ 32,00

*Diária = Serviço X 16

Vamos às considerações baseadas em gestão de custos.

01 – O Preço de Venda é certamente abaixo do preço de custo. Neste caso quanto mais fizer, pior.

02 – Imposto, Glosa e Kit material + biossegurança são Custos Variáveis, ou seja, ligados diretamente à produção e vendas. Saiba mais em http://blog.dentalcremer.com.br/gestao-de-custos-em-odontologia-pelo-metodo-de-custeio-variavel/  .Basicamente o Dono da Clínica recebe o dinheiro, mas são custos ligados diretamente à execução do procedimento, ou seja, não colaboram para os Custos Fixos da Clínica nem para Sua Vida Pessoal. Os 15% de Impostos (estimados) vão para o Governo, 10% de Glosas (estimados) retornam aos convênios. Este total de 25% pode variar. Atenção ao seu planejamento tributário e ao seu controle de processos “anti-glosas”.

03 – Kit material + biossegurança com custo sugerido de R$ 5,00 representa 25% do Preço de Venda de R$20,00. O mesmo custo de R$ 5,00 num Preço de Venda de R$ 200,00 representa 2,5%. Algumas clínicas não fazem desta forma. Consideram o kit material + biossegurança como um custo fixo e não fazem o cálculo unitário. Facilita muito na precificação, mas aqui como no Preço de Venda representou 25% optei por tratá-lo na forma conceitual de custo variável.

04 – Dentista Executor do Serviço: fazendo 16 serviços por dia, com R$ 8,00 de ticket médio por serviço, não necessariamente em 16 pacientes, receberá R$ 96,00 por dia de trabalho. Numa projeção mensal de 20 dias úteis de trabalho, 08 horas por dia, 320 serviços por mês a expectativa de faturamento do Dentista Executor é de R$ 1.920,00. Isso com 100% ocupação da agenda. A referência de 40% é baseada em média de mercado. No Pensamento Estratégico em Odontologia proposto pela Pensefar o rateio por percentual deve ser substituído pelo preço fixo e entende não cabe nos custos da clínica pagar 40% para um Executor.

05 – Dentista Dono da Clínica: fazendo 16 serviços por dia, com R$ 2,00 de ticket médio por serviço, não necessariamente em 16 pacientes, receberá R$ 32,00 por dia de utilização de uma cadeira odontológica em sua clínica. Numa projeção mensal de 20 dias úteis de trabalho, 08 horas por dia, 320 serviços por mês a expectativa de faturamento do Dentista Executor é de R$ 640,00. Este faturamento de R$ 640,00 é a colaboração desta cadeira odontológica para pagar os Custos Fixos da Clínica: Seu Pró-labore, os custos prediais, com recursos humanos, marketing, dentre outros.

06 – Quando a produção de uma cadeira não consegue bancar seus custos, outra cadeira na clínica irá compensar esta perda. Um exemplo básico de rateio de custos fixos: Uma clínica com duas cadeiras tem custo fixo de R$6.000,00. Se uma cadeira produz R$640,00, a outra terá que produzir R$5.360,00 para bancar os R$6.000. Em muitos casos, quem paga esta conta, o prejuízo de uma cadeira, é o Dono da clínica que abre mão de sua remuneração como Dentista Executor. Um erro grave de gestão.

Agora, talvez, talvez, uma decisão importante deva ser tomada, independentemente de ser Dentista Dono ou Executor. A gestão de custos evidencia a necessidade de mudanças que são um caminho sem volta. Planeje, se for o caso, a Sua mudança. A opção é Sua.  Sua Carreira é Sua Responsabilidade.

 

Flávio Ribeiro

Cirurgião-dentista pela Faculdade de Odontologia de Nova Friburgo. Mestre em Gestão e Economia na Saúde na Universidade Federal de Pernambuco. MBA em Gestão de Serviços de Saúde pela Universidade Federal Fluminense. MBA Executivo Gerência de Saúde pela FGV.